Perturbações bipolares podem ter novos tratamentos

por Paulo Caetano

Foram identificados os circuitos neurais que, após uma lesão, estão associados ao surgimento de estados de mania ou de depressão em doentes. Este estudo pode dar origem a novos e mais eficazes tratamentos.

Um traumatismo craniano ou um acidente vascular cerebral, por exemplo, podem causar lesões que irão originar perturbações psíquicas onde a euforia, a hiperatividade e a depressão alternam de forma constante e imprevisível. Mas uma equipa de investigadores portugueses e norte-americanos conseguiu identificar os circuitos cerebrais que, após esses acidentes, estão envolvidos no surgimento das perturbações bipolares.
Esses circuitos foram referenciados graças a técnicas de neuroimagiologia, que permitiram localizar as redes neurais que estavam interligadas com determinados défices. E revelaram, nestes casos, uma conectividade intensa entre o polo frontal do cérebro, o córtex temporal inferior e o córtex orbitofrontal.
Tudo no hemisfério direito do cérebro. Os resultados obtidos com esta investigação irão ser utilizados para orientar novos ensaios clínicos e, eventualmente, ajudarem a desenvolver novos tratamentos médicos.
Os resultados deste estudo foram publicados na revista Journal of Clinical Investigation. O primeiro autor desta equipa internacional, onde participaram investigadores do Centro Champalimaud e da Escola de Medicina da Universidade de Harvard, é o cientista Gonçalo Cotovio.
Para saber mais:
www.jci.org/articles/view/136096
Foto de: Bret Kavanaugh
Scroll to top